quinta-feira, 1 de maio de 2008

Elevador

O amor é um elevador. E isso não é uma rima pobre. É a mais pura e incontrolável realidade. Quando nos apaixonamos, um elevador maluco e sádico se constrói dentro de nós.
Ele vem vindo. Lindo! Com a camisa mal abotoada, a cara amassada e a calça puída, mas seus olhos o enxergam lindo. E lá vem o lindo. O elevador sobe, chega na sua garganta, quase te engasga. O lindo diz oi. O elevador vai sair pela sua boca. O lindo senta-se ao seu lado. Quase no mesmo instante, o elevador desce um pouco e faz uma parada brusca na altura do estômago. Aí, endoidece de vez. Sobe, desce. Sobe, desce. Desce, sobe. Sobe rápido e desce devagar. Sobe e desce sem parar. E assim continua até o fim da noite.
O lindo vai embora. Vai subindo devagar. O lindo diz que vai te ligar pra marcar uma saída, pra conhecer a nova casa de shows da cidade. Sobe, sobe, sobe, sobe ! Você reza. Pára de subir, pelo amor de Deus , que eu preciso falar!Você topa. O lindo vai, aos poucos se afastando. O elevador vai, aos poucos, descendo. Você volta pra casa. Espera. Elevador equilibrado. Passam cinco horas. Um dia. Dois. Uma semana. Três. O elevador se aproxima do chão. Você tem quase certeza que aquela elevação, que parecia ser um calo provocado por seu sapato novo , é a porta do seu elevador. Um mês. Telefone mudo. Elevador quebrado. Fossa total. O canalha, que a um mês atrás era o lindo, deve ter esquecido seu telefone. Você chora. Não me venha dizer que não chora, que esse discurso feminista auto-suficiente não me convence.
Quatro meses depois....
O telefone toca. É o Guto, seu amigo dos tempos de faculdade. Nossa, o Guto! Ele convida você para ir jantar na casa dele, conversar um pouco, relembras as hsitórias da turma. Você topa. Desliga o telefone e volta aos seus afazeres. Via ser legal sair com o Guto, você pensa. Mas, e o lindo? Lindo? Ah, sim. Me lembro bem. O Guto era um dos mais lindo da turma.
Reformas à vista. Um novo elevador começa a formar-se, pronto para subir, descer e amar.

2 comentários:

lucio flavio disse...

Oi BIA, entrei no teu blog e li teus textos..gostei bastante..continua escrevendo..bjo

Anna Laymann disse...

Aaaah, adorei!! "Não me venha dizer que não chora, que esse discurso feminista auto-suficiente não me convence." Hehehe! Mto bom mesmo! Uma ótima comparação! Bjsss