quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Cinema, zumbis e comunicação


Eu era uma criança ainda quando descobri George A. Romero. Assisti A noite dos mortos vivos escondido da minha mãe. Minha Lorelai não gostava que eu assistisse esse tipo de filme porque depois eu não conseguia dormir e ficava zanzando pela casa. Que nem um zumbi! heheheeh
Voltando ao Titio Romero, ele voltou a ativa em 2005, depois de um bom tempo parado, curtindo a vida. E ontem eu fui conferir o que ele anda aprontando. Diário dos Mortos , lançado em 2007, é Romero puro! Lá estão os zumbis, o sangue, as cenas bizarras e violentas. Ele não perdeu a mão. Ou melhor: aprendeu novos temperos.
E não bastasse esquentar o caldo dos filmes de zumbi, o diretor ainda faz um sutil e muito ácida crítica aos meios de comunicação e seus exageros em busca de audiência. Isso sem contar sua declaração de amor à câmera através do protagonista, um estudante de cinema que quer registrar tudo. Coisas que só um cinéfilo de categoria entende. A eterna celebração da cena. Afinal, o que a câmera não capta, não acontece.
Quentin Tarantino e Diablo Cody são fãs declarados de Romero. E essa gurizadinha que acha Jogos Mortais algo "muito massa" deveria fazer o mesmo. O terror de Romero tem humor. Fino humor. E é isso que dá mais medo. Bu!

Bjus da Bia!

2 comentários:

nixon vermelho disse...

Ótimo gosto para filmes!
Gostei muito do seu blog, vou acompanhar diariamente.

Tati Py disse...

Sabe que eu quase nunca vejo esse tipo de filme. Eu me impressiono mesmo com terror. Até hoje, quando vejo Poltergaist, dou um grito na cena do palhacinho (não sei se tu lembras, mas é a melhor do filme todo). Susto genuíno, sabe?
Mas, depois dessa tua dica, talvez eu me engrace pelo terror. Mas só um pouquinho, pra não sonhar depois. Hehehe.