segunda-feira, 30 de junho de 2008

Madrugada de sábado

Abandonei meu trabalho. Minha cabeça precisava descansar. E o telefone tocar. Não era quem eu imaginava. Mas era a Bine, quem eu precisava.

-Bib's, tá boa?
-Tô cansada.
-Eu também. Já fez aquele texto?
-Comecei, mas falta muito ainda.
-E o amor?
-Que amor? Só se for o de mãe.
-Ah, Bi! Adoro a tua mãe, mas tu sabe do que eu tô falando.
-Tá, guria! Eu sei. Mas o amor ainda não bateu na minha porta.

Silêncio típico da Bine.

-Bia...
-Hummm...
-Tem amor que pula a janela, sabia?

Não terminei o texto. Não dormi. Pirei de vez. Em silêncio.

Bjus da Bia, a perdida

3 comentários:

Liliane disse...

Eu vim. E voltarei sempre por aqui.

Mas sobre essa história de amor, tenho que concordar. Ele não constuma ser tão polido a ponto de tocar a campainha.
Beijos ;)

Tati Py disse...

Adoraria que o amor batesse à miha porta... um motoboy com a cara do Patrick Dempsey ou do Brad Pitt ou do George Clooney....
Hummmmm
Comia, comia, comia tudo!

Mas, e aí? Qual o fim da novela?

Tati Py disse...

Dei enter antes da hora...
Rola aquela jantinha no Bebs???